Telemedicina: tecnologia em prol da medicina

A atuação médica passa por uma evolução constante, assim como a tecnologia e, a partir da união delas, é possível conhecer novas formas de trabalho e de soluções na área da saúde.  

Uma destas formas é a Telemedicina, que consiste na pratica quaisquer atividades médicas realizadas “a distância” por meio de tecnologias da comunicação. É uma abordagem comum em países da Europa e nos Estados Unidos e que no Brasil está amadurecendo processos para a solidificação de uma resolução eficaz para o bom atendimento do paciente.  

No Brasil, os médicos devem seguir a resolução 1.643 de 2002 do Conselho Federal de Medicina (CFM), que possui normas como exigência de equipamentos competentes para o exercício da atividade, a inscrição do profissional que está realizando a função no Conselho Regional de Medicina (CRM) e a responsabilização do profissional por seu atendimento, mesmo que não seja presencial. 

Mas, na prática, como funciona? 

A telemedicina tem o intuito de oferecer tratamento em lugares com pouco ou nenhum acesso a saúde de qualidade por meio de tratamento remoto. Existem algumas formas de realizar este trabalho como: 

Teleassistência 

É uma forma de monitorar e cuidar do bem-estar do paciente, reduzindo seu tempo de internação, comumente realizado em idosos, crianças e pessoas com alguma deficiência. Neste tipo de telemedicina, muitas vezes, o paciente possui um botão de emergência que presta atendimento sempre que necessário. 

Teleducação 

A teleducação está presente nas mais diversas áreas da educação e na medicina ela é responsável, principalmente, por atualização de médicos que estão em áreas distantes dos grandes centros, proporcionando conhecimento de qualidade para todo país. 

Teleconsulta 

É a consulta realizada de maneira remota, na qual o médico tem contato com o paciente por meio de um vídeo conferência. Ela também pode ocorrer entre médicos, com o intuito de trocar conhecimento e gerar diagnósticos mais precisos. 

No Brasil, para que isso ocorra é necessário ter um profissional da saúde nos dois lados da chamada, para que o paciente tenha contato com uma pessoa física. 

Emissão de Laudos 

A emissão de laudos a distância é uma das áreas da telemedicina mais utilizadas no Brasil. Nela um médico recebe as imagens obtidas em um exame clínico, realizado presencialmente, e elabora seu parecer a respeito dele, basta estar conectado à internet.  

Você conhece a Rute (Rede Universitária de Telemedicina)?  

Ela é uma iniciativa do Ministério da Ciência e Tecnologia, em parceria com diversas entidades e visa apoiar e incentivar projetos a área da telemedicina.  

Ela possibilita “recursos de redes e o compartilhamento dos dados dos serviços de telemedicina dos hospitais universitários e instituições de ensino e pesquisa participantes da iniciativa”, além de levar “serviços desenvolvidos nos hospitais universitários do país a profissionais que se encontram em cidades distantes, por meio do compartilhamento de arquivos de prontuários, consultas, exames e segunda opinião”. 

Desta forma, podendo proporciona benefícios científicos, sociais e econômicos nos ambientes impactados.  

E o que você ganha com tudo isso? 

Médico 
  • Otimização de tempo; 
  • Acesso as melhores tecnologias disponíveis; 
  • Troca de conhecimento com colegas; 
  • Segurança nas informações; 
  • Menores custos com clínicas. 
Paciente 
  • Acesso a médicos de qualidade de qualquer lugar; 
  • Maior efetividade no diagnóstico; 
  • Maior velocidade na entrega de resultados de exames; 
  • Menores custos. 

Deixe uma resposta