Previna a infecção relacionada ao Ecocardiograma Transesofágico

Uma revisão de literatura publicada pela revista Arquivos Brasileiros de Cardiologia mostra que as infecções causadas pelo ecocardiograma transesofágico (ETE) em sua maioria derivaram de falhas nos processos de higienização, rachaduras na sonda ou até mesmo contaminação do gel de transmissão do ultrassom.  

O fato de a sonda de ETE não poder ser completamente imersa em nenhuma solução desinfetante torna sua higienização mais difícil, mas totalmente possível.  

Como evitar o risco de infeção: 

  • Inspeções constantes no equipamento; 
  • Processos de limpezas pré estabelecidos;  
  • Locais adequados para a higienização da sonda; 
  • Profissionais qualificados;
  • Utilização de coberturas protetoras durante a realização do exame; 

É necessário um ambiente pré-determinado e esterilizado para realização deste procedimento, com fluxos estabelecidos para garantir a efetividade da higienização. 

O Brasil conta com normas da ANVISA, em parceria com a Sociedade Brasileira de Enfermagem em Endoscopia Gastrointestinal, que dizem respeito a Limpeza e Desinfecção de aparelhos Endoscópios  

Você está atento aos processos que acontecem em sua clínica ou no hospital que você atua? 

É importante que o médico conheça os protocolos de higiene estabelecidos por cada instituição que ele atua, a fim de proporcionar o melhor e mais seguro atendimento a seus pacientes.  

Confira texto na íntegra em aqui!

Deixe uma resposta