Qual o futuro da medicina no Brasil?

Qual o futuro da medicina no Brasil? Que a quantidade de profissionais formados irá aumentar é inquestionável, mas onde está e estará esta concentração de profissionais? 

O Conselho Federal de Medicina (CFM) realizou uma projeção da Concentração de Médicos no Brasil em 2020 e infelizmente os dados são alarmantes. Além deste documento, também analisamos a Demografia Médica no Brasil em 2018 para vermos a atual situação. 

Diversas escolas médicas foram autorizadas a entrar em funcionamento pela perspectiva do governo de ter 2,5 médicos por 1.000 habitantes, no entanto este número não foi planejado, tão pouco sua demografia.  

Destacamos alguns dados relevantes deste estudo para discutirmos. 

Riscos 

A meta estabelecida pelo governo, segundo o CFM, não possui embasamento científico e foi criada em comparação com países desenvolvidos.  

Além disso algumas regiões e cidades já passaram este número de médico por habitante em 2012 e tiveram novos cursos autorizados pelo MEC, causando uma superpopulação médica na região. 

O gráfico abaixo demonstra esse crescimento de formandos até o ano de 2024. 

futuro da medicina no Brasil

O estudo também mostra que na iniciativa privada possuiu 7,6 médicos por 1000 habitantes, o que é muito acima da média estimada pelo governo.  

Logo, o problema desta estimativa “é a desigualdade na distribuição de médicos, com superconcentração de médicos no setor privado e em diversas cidades e regiões”. Além da falta de padrões adequados para formação, incluindo a inexistência de tantas vagas em residência. 

Demografia 

A desigualdade demográfica proporciona ainda mais contradição em relação a expectativa do governo de 2,5 médicos por 1000 habitantes, já que, analisando o gráfico abaixo fica claro que as capitais já ultrapassaram este número, enquanto algumas regiões possuem menos de 1 médico por 1000 habitantes. 

Além disso, com base no gráfico é possível observar que a maioria dos médicos estão presentes nas regiões sul e sudeste e principalmente nas capitais. 

Conclusão 

Um ponto positivo que vale ser destacado é o aumento da participação das mulheres na medicina. A medicina no Brasil vem crescendo rápido e sem controle, em breve teremos que lidar com a superpopulação de médicos em regiões específicas do país. 

Isso proporciona benefícios para o setor privado, tanto de educação quanto de saúde, mas a maioria da população não vai sentir este impacto enquanto estes médicos não estiverem presentes no Sistema Único de Saúde (SUS). 

Você pode conferir os meterias utilizados aqui!

Deixe uma resposta